Viagem pelo fantástico
Editora Kosmos / Ano 1971 / Edição 1ª / Acabamento Capa dura

Boris Kossoy: Viagem pelo fantástico

Viagem pelo fantástico

Kosmos

Neste primeiro livro, explora-se a pretensa vinculação que a fotografia tem com o real, porém a partir do imaginário fantástico, numa atmosfera de mistério que já caracterizava nossos desenhos dos anos sessenta. Trata-se de um livro de ‘contos’, sem palavras, à exceção dos títulos. Um conto por meio de imagens formando breves seqüências de encadeamentos reflexivos: lembranças, sensações, sonhos, porém nunca apresentados segundo uma linearidade que caracteriza o ensaio fotográfico ou a foto-documentação. A diagramação que envolve as imagens estabelece um espaço que vai além das possibilidades burocráticas recorrentes e repetitivas que geralmente constatamos nos livros de fotografia. Remete ao cinema e, por vezes, aos comics na sua forma, embora acabe se moldando fortemente à mensagem comunicada pelas imagens na sua individualidade e nos conjuntos que formam as seqüências. São dez no total.

Nesse clima se desenvolvem as histórias. Nesse clima buscam-se conexões com o fato cotidiano através de sua projeção fragmentária mágica, existencial, política, estética sendo a fotografia o instrumento e veículo de materialização das imagens mentais e do imaginado: é o elo de ligação com o real em sua concretude. A imagem técnica o convalida. Para tanto os cenários eram ambientados, produzidos e as personagens representavam tal como no palco de um teatro, ou numa encenação cinematográfica. Um enredo que vai além do visível, do comprovado – expectativa secular da fotografia. Os dez contos que compõem a obra são assim construídos. E, em “leituras” posteriores os receptores começavam a perceber conexões internas entre as histórias. Essa era a idéia.

Sobre esses aspectos Pietro Maria Bardi, que assina o prefácio, assim observa: [O autor] Não se vale da escrita, ou de um quanto – basta de palavras para que o leitor entenda e não confunda uma sinalização esquelética de caminhos. É um estado de espírito particular em busca de inquietações, de porções de fantástico, de realidades mágicas, a não confundir com aquelas fugas no abstrato, um tempo tão em moda. Tons de realidade, de materialismo que a natureza e o homem combinam para o poeta colher à sua vontade e talento. Viagem fantástica de personagens humanos e fabricados à procura da paz que não encontram, submetidos a circunstâncias incongruentes e excepcionais. Casos do externo proibido a todos pela concordância com determinada lei do bom costume, casos dos esconderijos em que o homem maltrata a rotina praxe de todos e dele mesmo, quando opera no conjunto para afirmar na solidão, verdadeiramente, liberdades para ele não esquisitas: íntimas, até passagens momentâneas ou permanentes de esquizofrenia.

Viagem pelo fantástico constitui uma obra autoral pioneira em termos de Brasil e América Latina. Contudo, suas criações são simbólicas, iam na contramão do tradicional emprego convencional da fotografia enquanto instrumento de registro destinado a aplicações imediatas, ilustrativas ao mesmo tempo em que punham em cheque a “fotografia artística” dos fotos clubes. É obvio que desde o início buscamos na fotografia abordagens mais complexas enquanto expressão cultural, estética e ideológica, uma marca que procuramos manter ao longo de nossa trajetória.

Além do natural impacto que as imagens do fantástico causaram à época, houve também nessa ‘viagem’ um exercício de linguagem com a expressão fotográfica. Tratava-se, afinal, de uma mudança de código. Um jogo ambíguo com a própria idéia de representação fotográfica tal como foi sempre compreendida no interior de um universo de aplicações utilitárias.

 


NEXT
Viagem pelo fantástico
Editora Kosmos
Ano 1971
Edição
Acabamento Capa dura


Loading